domingo, 19 de março de 2017

Falar em línguas é dom espiritual?

“Quem confia em si mesmo é insensato, mas quem anda segundo a sabedoria não corre perigo.” (Provérbios 28:26)
Quando era criança, certa vez assisti um programa de televisão que trouxe um hipnotizador de auditório. Geralmente, essas pessoas não têm qualquer poder que não o de sugestionar um grupo de pessoas que já está predisposto a ser sugestionado.
Em dado momento, trouxe algumas mulheres do auditório e as deixou em estado de hipnose. Em seguida, ordenou a uma delas que falasse uma mistura da língua Zulu com o Espanhol. A mulher abria a boca, e emitia sons ininteligíveis. Estava na cara que ela não falava nem Zulu nem Espanhol.
O ato de proferir sons sem qualquer sentido, chamado de Glossolália, é algo quase tão antigo quanto a humanidade. E acontece em uma série de religiões, como o Espiritismo, o Islamismo, o Vudu, o Hinduísmo, etc.
O que dizer desse ato? Nada mais é do que transe e catarse. Claro, as pessoas gostam de tentar dar sentido a isso como quem jura de pés juntos que as nuvens do céu formam animais ou rostos. E, sempre quem conta o conto aumenta um ponto.
Essa prática, portanto, não tem rigorosamente nada de espiritual, mas também não é proibida. É apenas inútil. Claro, não deve ser vista como tendo algum tipo de poder profético ou coisa do gênero, o que descambaria para a feitiçaria.
Mas, de onde vem essa prática?
Ela deriva de um entendimento equivocado de uma parábola judaica que diz que quando a Lei foi dada a Israel, ela foi ouvida em setenta idiomas, mas só Israel a tomou sobre si. Mas, essa não é uma história literal, mas sim uma parábola do folclore judaico para falar sobre o fato de que somente Israel assumiu perante o Senhor a incumbência de ser uma nação teocrática.
Como o Cristianismo se originou no Judaísmo, o autor do livro de Atos na Bíblia Cristã tomou a parábola e criou a narrativa do Pentecostes, na qual um fenômeno parecido teria supostamente ocorrido com os primeiros cristãos.
A associação com Pentecostes também é problemática, haja vista que a Bíblia Hebraica não associa a recepção da Lei com a Festa das Semanas (chamada no grego de Pentecostes). Somente na época do Segundo Templo é que essa associação começou a ser feita.
Não é muito claro se o texto da Bíblia Cristã almeja ser literal ou figurativo, e como o autor não é nem pretende ser cristão, deixaremos essa questão de lado.
Mais adiante, quando o Cristianismo se alastrou pelo mundo, algumas comunidades viram na descrição da Bíblia Cristã como um fundamento para justificar a prática da Glossolalia, isto é, balbuciar sons sem sentido em estado de transe. Mesmo no Cristianismo, é muito discutível se essa leitura é aceitável.
Fato é que isso não existe na Bíblia Hebraica, e nunca existiu no Judaísmo, nem histórico, nem moderno. Assim sendo, não é uma prática bíblica.
Que o leitor possa refletir: Que proveito há em emitir sons sem sentido, senão o envaidecer a pessoa, que acaba se sentindo mais espiritual do que os demais? Observe como essa pergunta se encaixa bem com o que é dito em Provérbios 28:26, citado no começo deste artigo.
Lembre-se: Existe espaço para a emoção no culto ao Eterno. Porém, ela deve ser acompanhada da razão, e não ser algo totalmente sem sentido ou propósito.
Fonte: http://monoteista.org/falar-em-linguas/

domingo, 12 de fevereiro de 2017

O que é um culto com animação de plateia [e algumas heresias]?


Era um culto de domingo, em uma grande e tradicional igreja evangélica. O templo estava lotado, e tudo transcorria normalmente, após a oração de abertura, que terminou com o primeiro “amém” da noite.

Havia muitas pessoas não crentes para ouvir a exposição da Palavra de Deus. No púlpito, os obreiros folheavam a Bíblia, esperando ter uma oportunidade para falar. E isso poderia acontecer, uma vez que o pastor pregara no domingo anterior e não costumava avisar com antecedência o pregador do próximo culto.

Após o momento de cânticos, com todos os conjuntos musicais, e a leitura da Bíblia Sagrada, o pastor anunciou:
— Vamos fazer uma oração e, em seguida, ouviremos uma saudação pelo pastor José dos Clichês, que hoje deixou a sua congregação, e gostaríamos de ouvi-lo transmitir uma rápida palavra.

O dirigente do culto começou a orar, e José, assentado na galeria por ter chegado tarde à reunião, lembrou-se de uma pregação que ouvira sobre o texto de 1 Pedro 3.15, cujo tema foi: “Estai sempre preparados”.

Terminada a oração com mais um “amém”, José se levantou calmamente e dirigiu-se ao púlpito, sem saber o que falaria, pois, mesmo sendo um ministro, não tinha nenhuma mensagem preparada... A fim de ganhar tempo, fez questão de cumprimentar os vinte obreiros que ali estavam, um por um. Ajustou, então, lentamente, o pedestal do microfone e começou a falar:
— Saldo os irmãos com a paz do Senhor e os amigos com uma boa noite de salvação! Amém?

Como poucos irmãos responderam, ele reclamou:
— Parece que esse “amém” foi para mim. Saldo os irmãos com a paz do Senhor! Amééém?
— Amééééééééém! — o público respondeu.
— É motivo de grande alegria estar aqui neste lugar, pois anjos, arcanjos, querubins e serafins estão aqui, nesta noite. Amém, irmãos?

Ao som de um desconfiado “amém”, José continuou:
— O povo de Deus é um povo alegre! Olhe para o seu irmão e diga: “Eu profetizo unção de alegria sobre a sua vida!” — isso fez com que todos se movimentassem, se cumprimentassem e conversassem em voz alta durante alguns minutos.

Depois desse momento de — digamos — “descontração”, José continuou: 
— Desejo, antes de proferir a poderosa e magnânima mensagem que já está em meu coração, cantar um hino para Jesus. Minha voz não está boa, mas vou cantar para Jesus!

Pedindo aos músicos uma nota, começou a cantar de forma desafinada a canção Jesus Tomou as Chaves do Diabo. Alguns irmãos sorriam, outros olhavam para o relógio, e a maioria cochichava:
— Que desafinado — todos, na verdade, sabiam que ele, por não conhecer música, pedira um tom muito alto. Pior que isso: estava cantando fora do tom pedido. Mesmo assim, não se intimidou e cantou o “hino” duas vezes!

Os obreiros do púlpito permaneciam de cabeça baixa, olhando para a Bíblia, enquanto o pastor da igreja — que parecia antever o que aconteceria — pronunciava em tom baixo um pejorativo “amém”. Quando ele pensava que nada pior poderia acontecer...
— Irmãos — disse José dos Clichês. — Esse hino é maravilhoso e me faz lembrar do tempo em que eu era um pecador, e a poderosa mão de Deus me alcançou... E quantas pessoas estão sofrendo, no pecado... Glória a Deus! Aleluia! Como disse o apóstolo Pedro, em Hebreus: “Horrenda coisa é cair na mão do Deus vivo”.

Não percebendo que havia aplicado o versículo de modo contraditório e citado a fonte erroneamente, ainda acrescentou:
— E essa mão vai tocá-lo nesta noite! Se você crê, levante a mão direita e comece a liberar a sua fé! Você é vencedor! Declare isso!

Apesar de gritar e pular, a ponto de suar e quase perder a voz, percebeu que não houve o “retorno” que esperava. O povo não estava tão impressionado com as suas palavras e atitudes. Assim, resolveu fazer uma oração: 
— Fiquemos em pé! Vamos fazer uma oração de conquista! Vamos tomar tudo o que o Diabo nos roubou! Comece a liberar a sua fé! Determine agora a sua vitória! Exija que o Diabo deixe a sua vida!

Quando a estranha oração já durava vários minutos, e alguns irmãos já estavam sentados, ele concluiu:
— Em o nome de Jesus, eu determino que haja vitória para o seu povo e profetizo que todos recebam a bênção agoooooooooora! Diabo, eu exijo: Pegue tudo o que é seu e saia, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém. 

A essa altura, todos pensavam que ele terminaria a sua “rápida” saudação. Mas, folheando a Bíblia de um lado para o outro, prosseguiu:
— Bem, irmãos, para não ficar somente em minhas palavras, quero deixar um versículo para a meditação de todos. Desejo ler uma passagem conhecida, pois o salmista disse que a Palavra de Deus se renova a cada manhã...

Após alguns segundos de procura, voltou-se para os obreiros do púlpito e perguntou:
— Irmãos, quero deixar para a igreja aquele versículo que diz: “Quem não vem pelo amor, vem pela dor”. Onde está mesmo? Acredito que esteja em Eclesiástico...
— Irmão José, é Eclesiastes — manifestou-se um dos obreiros, em tom baixo.

Nesse instante, enquanto alguns irmãos riam de cabeça baixa, José continuava a procurar o versículo... Ele já havia consultado a concordância resumida que havia em sua Bíblia, mas... Faltavam apenas vinte minutos para o término do culto, e o horário da pregação já estava atrasado em quase meia hora. Para complicar mais a situação, o pastor havia convidado Antonio das Revelações, um famoso pregador da Igreja do Evangelho Antropocêntrico, que chegara poucos minutos depois do início da “saudação”. 

Antes que o pastor, um homem muito paciente, puxasse o paletó do irmão José, ele tomou uma atitude: fechou a Bíblia de forma brusca e, um tanto trêmulo, abriu-a de novo, lentamente, mantendo os olhos fechados e um dedo sobre uma passagem.
— Irmãos, eu resolvi tirar uma palavra, e caiu aqui em Salmos 32.9. E o Senhor vai falar com você agora, pois o nome de Deus é Já! Quem achou, diga “amém”. Quem não achou, diga “misericórdia”.

Ao ouvir um fraco “amém”, ele firmemente procedeu a leitura:
— “Não sejais como o cavalo, nem como a mula, que não têm entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio, para que se não atirem a ti”.

Lido o texto, o dirigente do culto, que mantinha um olho na Bíblia e outro no relógio da parede, não suportando a sucessão de atitudes inconvenientes, disse em alto e bom tom:
— Amém, pastor José. Agora é a hora da Palavra! Vamos ouvir a pregação!

José olhou para o pastor e, entendendo que dissera aquelas palavras em sinal de aprovação, para que ele continuasse falando e iniciasse, de fato, a pregação, respondeu, com ar de soberba:
— Esse versículo é muito profundo, e eu poderia ficar aqui falando muito tempo. Só não vou fazer isso porque o pastor me deu a oportunidade para apenas uma saudação. E eu quero ser fiel ao meu pastor. No entanto, gostaria de fazer só mais uma coisa. Olhem para mim!

Nesse instante, houve um momento de expectativa...
— Lemos um versículo que mostra o poder das palavras. Olhe para o seu irmão e diga: “Aprenda a usar o poder de suas palavras, pois com elas você pode produzir bênção e maldição”.

Boa parte do povo estava um tanto impaciente, haja vista a expectativa de ouvir o pregador convidado, e acabou não seguindo as ordens de José.
— Parece que os irmãos estão um tanto desanimados. Repreenda esse espírito de desânimo, irmão! Amém?

Sem ouvir sequer um irmão dizendo “amém”, José preferiu não insistir e, finalmente, concluiu:
— Eu agradeço a oportunidade, e que o Espírito Santo fale melhor em cada coração.

Como faltavam poucos minutos para terminar o culto, e o grupo de coreografia ainda pediria para se apresentar antes da mensagem — mais quinze minutos! —, a saudação, propriamente dita, ficaria a cargo do pregador convidado... 

No entanto, este ainda falaria por mais cinquenta minutos, pedindo que o povo respondesse a mais alguns “améns”. Antes de pregar sobre os seus assuntos preferidos, a prosperidade, os direitos do crente e os demônios, pediu a todos que olhassem para o irmão ao lado e dissessem:
— Eu te abençoo agora! E profetizo prosperidade sobre a tua vida!

O público acabou se animando um pouco com essa sessão de “profecias”, mas cansou-se logo, pois, a cada frase de efeito que o pregador empregava, dizia:
— Diga isso para o seu irmão...

De fato, ele parecia ser um homem de fé, pois relatou inúmeros encontros que teve com Jesus e os apóstolos, no céu, e com o Diabo, no inferno. Ele aproveitou para oferecer o livro As Revelações do Céu e do Inferno que Paulo Não Teve Coragem de Escrever, lançado pela editora Fé na Fé.
— Irmãos, eu recebi este livro quando visitei o céu pela primeira vez e conversei com o apóstolo Paulo. Ele me disse que não teve coragem de escrever em suas epístolas tudo o que viu, mas que me autorizava a divulgar essa mensagem para a Igreja dos últimos dias. Neste livro, estão revelados muitos mistérios que não se encontram na Bíblia.

Após a longa e polêmica pregação, o pastor — cheio de dúvidas quanto a tudo o que ouviu — impetrou a bênção apostólica e encerrou a reunião com o último “amém”!

Há um versículo que parece definir bem o que foram as pregações do José dos Clichês e Antônio das Revelações: “O princípio das palavras de sua boca é a estultícia, e o fim da sua boca um desvario péssimo” (Ec 10.13).


Pr Ciro Sanches Zibordi

Este texto ficcional foi publicado sob o título O último amém no livro (bestseller): Erros que os Pregadores Devem Evitar (CPAD, 2005) e publicado no Blog do Ciro (https://cirozibordi.blogspot.com.br)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Rude Cruz (211) Hinário Adventista Instrumental - Joãozinho Camargo (Tyr...

O chamado "cair no Espírito" faz parte do culto pentecostal?


Muitos neopentecostais ou pentecostais mal-orientados têm atrelado erroneamente o “cair no Espírito” às verdades pentecostais. Além de citarem episódios da história do pentecostalismo, apegam-se a algumas passagens da Bíblia tidas como irrefutáveis. Posteriormente, pretendo fazer uma explicação sobre o “cair no Espírito” ao longo da história do Movimento Pentecostal. Neste texto, para não me estender muito, me aterei apenas aos principais textos bíblicos que supostamente embasariam o “cair no Espírito”.

Atos 2.1-16. O que ocorreu no dia de Pentecostes tem sido usado por aqueles que defendem o “cair no Espírito” como parte do culto genuinamente pentecostal. Eles afirmam que o “mover de Deus” ali foi tão grande, espantoso e sem limites, a ponto de uma parte da multidão reunida em Jerusalém ter pensado que os cristãos estavam embriagados (vv. 13,16).


De fato, os primeiros cristãos batizados com o Espírito Santo foram tidos como embriagados, mas o texto bíblico mostra que a zombaria dos judeus religiosos de todas as nações não se deu em razão de eles terem visto pessoas caídas ao chão ou tomadas por uma prolongada “unção do riso”. Na verdade, o servos de Deus pareceram estar embriagados porque, de modo sobrenatural, começaram a falar nas línguas de pessoas de diferentes nacionalidades que ali estavam (vv. 5-13).


1 Coríntios 1.25. Alguns defensores de manifestações não previstas em Marcos 16.15-18 citam 1 Coríntios 1.25 e argumentam: “Quem acha o cair no Espírito e a unção do riso estranhos não conhecem a unção da loucura de Deus. Ele pode fazer o que quiser. Não podemos colocar Deus numa caixinha”. Entretanto, estamos diante de um argumento que se autodestrói em cinco segundos!


O termo “loucura de Deus” não se refere à loucura proveniente de Deus. Trata-se de figuração de linguagem alusiva à superioridade da sabedoria do Senhor em relação à dos homens. Observe que o apóstolo Paulo também afirmou, no mesmo versículo, que “a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens” (1 Co 1.25). Ora, se existe a unção da loucura de Deus, por que não existiria também a unção da fraqueza de Deus?


Daniel 10.8-9 e Apocalipse 1.17. Os defensores do “cair no Espírito” gostam de dizer que Daniel e João caíram no poder de Deus. Examinemos com cuidado esses dois episódios. No primeiro caso, o profeta Daniel, sem forças para permanecer em pé, visto que havia jejuado por três semanas,caiu sobre o seu rosto, sendo imediatamente amparado por um enviado de Deus, que ordenou: “levanta-te sobre os teus pés” (Dn 10.11). Podemos comparar essa experiência com pessoas que caem para atrás após serem atingidas por um “paletó mágico”?


O caso de João é semelhante ao de Daniel (Ap 1.10-18). E fica claro que ele não foi derrubado por um sopro ou golpe de capa (naquela época não havia paletó). João também não deixou de usar o raciocínio. E ele, assim como Daniel, caiu prostrado sobre o seu rosto, diante da glória do Senhor. Com todo o respeito a quem pensa de modo diferente, não há como fazer um paralelo entre o cair aos pés do Senhor e o famigerado “cair no Espírito”.


João 14.12. Esta passagem tem sido muito citada na tentativa de avalizar o “cair no Espírito”, visto que o Senhor Jesus disse: “aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço e as fará maiores do que estas”. Entretanto, o termo “obras” (gr. ergon) não significa “novas unções” ou “manifestações exóticas”, e sim: “trabalho”, “ação”, “ato”.


Exegeticamente, “obras maiores” são as mesmas realizadas por Jesus, em maior quantidade e alcance, e não em qualidade. O Senhor não aludiu a novos “moveres”, e sim à pregação do Evangelho e à expansão do seu Reino na terra. No meu livro Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar(CPAD, 2007) faço uma explicação bem detalhada de João 14.12 e outras passagens usadas de modo equivocado pelos defensores do “cair no Espírito” e a “unção do riso”.


1 Reis 8.10,11. Este, talvez, seja o texto mais citado pelos pregadores que ministram o “cair no Espírito”, os quais têm argumentado: “Ninguém suporta ficar de pé quando a unção do Espírito vem sobre nós”. Bem, vamos examinar com atenção o que aconteceu, começando com uma leitura atenta da passagem: “E sucedeu que, saindo os sacerdotes do santuário, uma nuvem encheu a Casa do SENHOR. E não podiam ter-se em pé os sacerdotes para ministrar, por causa da nuvem, porque a glória do SENHOR enchera a Casa do SENHOR”.


Como se percebe, essa passagem bíblica nada menciona a respeito do “cair no Espírito”. O que ela diz é que a nuvem da glória do SENHOR encheu a sua Casa e impediu os sacerdotes de ministrar. Quanto à frase “não podiam ter-se em pé”, a versão bíblica Almeida Revista e Atualizada(ARA) é ainda mais clara: “não puderam permanecer ali”; não tiveram como ministrar, por causa da nuvem que encheu a Casa.


Diante do exposto, o fogo é uma bênção, desde que esteja sob controle. A eletricidade, de igual modo, precisa ser controlada nas subestações. E um trem pode alcançar grande velocidade, mas sempre corre no trilho. Assim, o culto a Deus deve ser controlado pelo Espírito Santo, que age em perfeita harmonia com a Palavra do Senhor, para que tudo ocorra com decência e ordem (1 Co 14.20-40).


Em Atos dos Apóstolos não há nenhum abono ao “cair no Espírito”. Em 1 Coríntios 12.28, vemos que Deus hierarquiza dons e ministérios. E, ao fazer isso, Ele prioriza os três ministérios ligados à pregação e ao ensino da Palavra: “pôs Deus na igreja, primeiramente, apóstolos, em segundo lugar, profetas, em terceiro, doutores”. E o que tenho percebido em minhas pesquisas é que, nas igrejas em que ocorre o “cair no Espírito”, a exposição da Palavra do Senhor se torna secundária ou até desnecessária. E mais: à luz de Marcos 9.17-27 e Lucas 4.35, são os demônios quem lançam pessoas ao chão!


O Senhor Jesus jamais derrubou alguém mediante sopros, golpes de capa ou imposição de mãos. Em seu ministério terreno, Ele ensinavapregava ecurava os enfermos (Mt 4.23; At 10.38). Que tal seguirmos o conselho da Palavra de Deus em 1 João 2.6? “Aquele que diz que está nele também deve andar como ele andou”.


Pr Ciro Sanches Zibordi


Fonte: Blog do Ciro (https://cirozibordi.blogspot.com.br/2017/02/o-chamado-cair-no-espirito-faz-parte-do.html?spref=fb)

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Fundamentalismo religioso, um câncer nos nosso dias!!

A religião fecha as portas dos templos para aqueles que são oprimidos pela sociedade. O farisaísmo tem feito líderes jogarem muitos no inferno, mas aceitarem gente com o caráter deturbado em cima dos púlpitos e serem conivente com o pecado por este Brasil a fora!
Fundamentalismo religioso até que se tornou um termo pejorativo hoje em dia, mas o que não é na sua origem e essência. O que chamamos de Fundamentalismo HOJE, não passa de radicalismo e não só "religioso". Hoje um "fanático" religioso é equivalente a um "fanático" ateu, ambos sacrificam a razão em nome dos próprios preconceitos. Ambos, alienados, não aceitam a verdade quando revelada. Ambos colocam suas crenças acima daquilo que realmente é a verdade, a Palavra!

A ignorância religiosa jamais alcançaria a mulher Samaritana, com um passado tenebroso e um presente devastador, porque o marido atual não era dela. Mas o encontro dela com Jesus causou transformação de conduta, postura gerando destino, se tornando ela pregadora da palavra entre os samaritanos. O que dizer de Maria Madalena, que era cheia de demônios, João, que era genioso, chamado de filho do trovão!

A hipocrisia tem feito que muitos cristãos, exijam libertação total na vida dos outros, enquanto eles não mesmos não estão libertos. São duros com o pecado alheio, e complacentes com seus erros!

Não se aceita nos templos gays e lésbicas, mas se aceita adúlteros, fornicadores ou seja pessoas com o caráter distorcido. Não se aceita punks, góticos, homens e mulheres que pertencem as tribos, mas se tem uma aparência perfeita, pode ficar não tem problema! Não se aceita pecadores, mas se é conivente com o pecado, desde que seja dizimista em alguns casos. E assim a religião segue buscando fazer um papel que não é dela, a libertação!

Missionários que fazem missões urbanas, pregadores de becos, tem arrebatados pessoas escravizadas pelo pecado, mas não tem aonde conduzir estas almas para serem tratadas, porque muitas igrejas estão impregnadas pelo conservadorismo religioso.

Hoje em dia, muitos se aponta o dedo e joga no inferno, poucos abraçam, amam e dizem: "Eu vou te ajudar a vencer este pecado"! A sua luta contra este mal, será a minha luta, porque eu te amo..."

Parece não saber que nossa guerra não é contra pessoas, mas contra o pecado.

A santidade hipócrita proposta pela religião nos separa dos doentes e oprimidos, mas a santidade do reino nos faz andar com eles e ser agentes de transformação no meio deles. A santidade de aparentemente perfeita pregada pela religião nos mostra uma conduta de aparência e estereótipo, mas a santidade do Reino muda o homem no caráter na essência, de dentro para fora.

Prefiro estar rodeado de homens ávidos por mudança como Davi foi rodeado pelos seus valentes, do que de religiosos que vendem uma aparência perfeita, mas são podres por dentro! Jesus veio pelos doentes! Que Deus nos guarde do Farisaísmo!!

Pr Julio César de Oliveira, via facebook